ALERTA DE SPOILER: Não leia se você ainda não assistiu “Valhalla Can Wait”, o oitavo episódio da sexta temporada de “Vikings”.

Quando o criador de Vikings, Michael Hirst, decidiu matar o personagem favorito dos fãs de Lagertha, ele sabia que queria trazer a atriz Katheryn Winnick de volta ao seu mundo criativo pelo menos mais uma vez – e assim nasceu sua estréia na direção.

“O tempo é tão precioso e precisamos de personagens femininas mais fortes na televisão – e não é apenas que elas precisam ser escritas e interpretadas, mas sim das produtoras e chefes de estúdio, contratando mais cineastas e preparando mais diretores do sexo feminino” Winnick diz à Variety. “Ser uma minoria é uma pena, considerando que a população é de 50-50. Precisamos ser capazes de criar mais roteiristas e diretoras e dar a elas a oportunidade de ficar atrás das lentes, e só então haverá uma chance de as mulheres serem adequadamente representadas na televisão.”

Em “Valhalla Can Wait”, Winnick enfrentou muitas cenas emocionantes para dirigir quando Bjorn (Alexander Ludwig) chegou a uma decisão sobre a morte de sua mãe, finalmente se dirigindo ao povo de Kattegat e punindo o assassino de Lagertha, seu meio-irmão Hvitserk (Marco Ilsø). Enquanto isso, os russos fizeram seu primeiro ataque a Kattegat, e Ubbe (Jordan Patrick Smith) e Torvi (Georgia Hirst) encararam uma nova vida na Islândia.

Aqui, Winnick e Variety conversam sobre liderar o episódio, alguns dos desafios imprevistos – incluindo um ator que não apareceu – e adicionar seu próprio talento criativo a uma série em seis temporadas.

Quando o “bicho da direção” te mordeu?

Katheryn Winnick: “Eu sempre quis dirigir; no ensino médio, dirigia peças e, na verdade, recebi uma bolsa de estudos. Mas ao estar no set por tantos anos, você sempre tenta manter isso fresco. Eu sempre tratei [essa vontade] como um playground em termos do que mais posso interpretar, o que mais posso aprender? Era a escola de cinema 101, onde, em vez de sentar no meu trailer, eu ficava atrás da câmera e tentava conversar com a equipe e aprender. Sempre foi tão interessante e fascinante e ter a honra de poder dirigir meus companheiros de elenco e voltar [para a série], é o melhor adeus de todos os tempos. Acho que realmente não me despedi até aquele momento.”

Por que você escolheu acompanhar a diretora Helen Shaver antes do seu episódio?

Katheryn Winnick: Helen Shaver também é uma atriz que virou diretora e é uma querida amiga minha que é tão boa em trabalhar com atores quanto em dividi-los. Ela era uma das nossas favoritas, sempre, estava no set para trabalhar como atores e vê-la. Eu definitivamente aprendi muito com ela. Também aprendi com muitos outros diretores, mas ela tem sido uma boa mentora para mim.

O episódio foi muito emocionante para Bjorn em particular, foi útil ter esse relacionamento na tela e antecedentes com ele?

Katheryn Winnick: Havia muitas coisas diferentes que eu queria realizar e o mais importante era realmente o desempenho. Foi o episódio de Bjorn e realmente o início de sua queda, especialmente porque ele não consegue lidar com o fato de não ser o rei que pensava que poderia ser. E conhecendo Alex Ludwig por tanto tempo e não apenas interpretando sua mãe, mas também sendo um amigo querido, posso realmente afundar meus dentes em seu personagem e sinto que temos esse diálogo interno em que conheço sua personalidade, mas também conheço sua história. Como pessoa. Isso é útil. Apenas foi adicionado para poder trazer sua vida pessoal para a tela. Eu amo essa parte!

A cena em que a câmera gira em torno de Bjorn enquanto ele faz seu monólogo – foi algo que você trouxe para o episódio ou estava na no roteiro?

Katheryn Winnick: Oh, você está brincando comigo? Não foi escrito! Isso não estava no roteiro. Eu queria que o público entrasse na cabeça dele e mostrar isso, apenas para mostrar seu estado mental e o que ele está passando. E eu estava realmente pressionada pelo tempo, mas eu queria muito fazer essa cena assim. Queria envolvê-lo, e você percebe que ele está falando sozinho e estou tão feliz que tudo acabou bem! Originalmente, eu estava brincando de fazer isso na tela verde, mas não tinha tempo, porque o tempo era realmente complicado e, como você sabe, configurar fotos para telas verdes consome muito do seu precioso tempo sentado. Então acabamos fazendo isso e fizemos algumas tomadas diferentes, mas a equipe estava realmente lá, os atores de fundo e todos. Eu fiz todos eles ficarem desgastados! Não houve truques especiais nem nada. Corremos muito rapidamente, e conseguimos. Estou tão orgulhoso por ter lançado isso. É uma dessas coisas como diretora e o nova diretora que você deseja adicionar um toque criativo a ela. Fico feliz que você tenha mencionado isso porque essa foi uma das minhas cenas favoritas.

Houve outras cenas com as quais você foi criativa? O episódio abrangeu tanto território em Rus (Kiev), Kattegat, e também houve a cena do enforcamento e da luta.

Katheryn Winnick: Não sei se existe uma em particular. A cena de abertura com Bjorn batendo em Hvitserk foi muito poderosa. Eu realmente queria mostrar Bjorn sob uma luz diferente. Também a sequência de lutas que você está falando. Meu Deus, eu nem posso te dizer. Fui arremessada para uma grande bola curva na noite anterior. Tínhamos uma pessoa famosa que deveria estar nessa cena e ele cancelou comigo na noite anterior. Então eu tive que reescrever a cena inteira e lembro de tentar falar com Michael Hirst e acho que ele estava em um funeral, e esse foi um dos meus últimos dias de filmagem. Gastamos muito dinheiro construindo esse cenário e, de repente, eu não tinha nenhum ator. Sendo uma nova diretora, foi tipo, “Como vou fazer essa cena funcionar?”

A luta sem motivo realmente não faz sentido quando o ator principal não aparece na noite anterior. Portanto, foi uma das coisas mais desafiadoras que fiz como diretor. Acabei pegando um ator que tinha uma frase ou algo assim e fiz dele o ponto central disso. E então, para a jovem, liguei para minha figurinista e disse: “Ok, engravide oito meses”, apenas para criar algum tipo de emoção ali. Eles pensam: “Espere, nós temos uma fantasia”. Então ela foi originalmente escrita para mais episódios, mas como o ator não apareceu, ela teve que ser cortada. Então foi uma grande mudança que ninguém espera ou quer na noite antes de filmar. Mas espero que tenha ficado ótimo.

Houveram outros desafios?

Katheryn Winnick: Em termos da coisa mais difícil, é realmente difícil dizer. A queima de Hvitserk foi um desafio. O discurso de Bjorn foi um grande desafio para reunir tantas pessoas e eu queria simbolizar algo para mostrá-lo visualmente. Então eu pedi para que eles passassem a tocha em que escrevi. Eu também queria algo bonito e que Gunnhild [Ragga Ragnars] defendesse seu homem e que ela realmente fosse uma rainha pela primeira vez, ela fez um ótimo trabalho.

Seu irmão também estava nesse episódio?

Katheryn Winnick: Sim, um pequeno fato divertido. Meu irmão [Adam Winnick] está no final – ele é o único que sai e encontra a vila completamente assassinada. Meu outro irmão [Markjan Winnick] na verdade interpretou um rei na 5ª temporada, ele foi escalado independentemente de mim. Ser capaz de compartilhar o final de seis temporadas com a família foi muito bom!

Os episódios da primeira parte da 6ª temporada de Vikings vão ao ar às Quartas-feiras no History Channel, nos EUA e às quintas-feiras no Fox Premium, no Brasil.

FONTE: Variety

Tradução: Katheryn Winnick Brasil

Deixe um comentário!